Menu fechado

Uma história de incesto entre avó e neto

Vou contar pra vocês uma história de incesto entre avó e neto. Minha esposa é costureira numa grande cidade do interior de São Paulo e numa seção provatória de um vestido, uma senhora da sociedade fazendo a prova do mesmo e as duas sozinhas começaram a conversa e numa conversa vai, conversa vem, ela contou a minha esposa uma historia se não bizarra, mas interessante e curiosa que só da para publicar num site desta natureza e para ilustrar melhor sua historia vou contar em palavras chulas, mas não foi nestas palavras que contou, mesmo porque é uma pessoa fina e muito letrada.

Disse a minha esposa que foi professora universitária, que seu marido era um importante politico, minha esposa e eu o conhecia de nome, e que ela na época desta historia era viúva a um mês, tinha 61 anos e nos seus 1.62 altura com 69 quilos era gordinha, mais nem tanto, algumas celulites e pés de galinha da idade e seu marido era oito anos mais velha que ele havia falecido devido a uma enfisema pulmonar fruto do tabagismo e era diabético também, teve somente uma filha, esta casou com um industrial e tiveram um filho, o Junior, seu único neto e este tinha 18 anos.

Disse: – fiquei viúva naquele casarão somente com a empregada e o motorista que moravam numa casa nos fundos.

Minha filha era muito apegada ao pai, sofreu muito e não aceitava a morte dele, então para sair daquele ambiente seu marido um mês depois da morte deste sugeriu e ela aceitou fazerem um cruzeiro marítimo de 30 dias pela Europa e assim partiram.

Devido as aulas, o Junior, meu neto que eu vi nascer, crescer e sempre a meu lado, cansou de dormir entre eu e seu avó quando este era vivo, não pode ir devido as aulas do colégio e ficou na minha casa.

Lá pelas 23 horas eu e o Junior fomos dormir na mesma cama, o que era normal desde que seu avó era vivo dormir no nosso meio, eu de camisola normal de seda até o joelho, ele de pijama, e durante a madrugada acordei com ele de conchinha com seu pau duro encostado na minha bunda por cima da camisola.

Aquilo me deu uma tesão do nada, não me controlei, comecei a rebolar e ficamos um tempão no maior esfrega, esfrega, levantei a camisola e ele enfiou o pau no meio das minha pernas mas por cima da calcinha, passei a mão na minha boceta e esta estava toda encharcada, e eu que pensava que estava toda ressequida devido a muito tempo.

Uns 4 anos sem ter relação, tirei a calcinha, sem sair da cama alcancei no criado mudo ao lado um lubrificante medicinal que ainda era do meu falecido marido, ele usava, pois sua pele devido a diabete ressecava muito, enchi a mão e lambuzei do anus para baixo.

Uma história de incesto entre avó e neto

Uma história de incesto entre avó e neto

Fiquei com medo devido a tanto tempo sem transar e ele me machucar com aquela tora maior que a do avô dele, peguei seu pau e ainda de conchinha fui introduzindo, ele afoito querendo penetrar de qualquer jeito, nisto acertou meu cu que com todo aquele lubrificante as pregas cederam fácil, ardeu e doeu no começo, mas depois ficou gostoso.

Ele pensando que estava comendo a boceta, pois dizia:

-Vó que buceta gostosa.

Deixei ele pensar, comecei a me masturbar e sendo enrabada, não demorou muito gozei, parecia que tinha ido no céu e voltado com aquele pau entrando e saído com uma volúpia assustadora no meu cu.

Não demorou e ele deu um urro gostoso e gozou também… e como gozou ,encheu meu rabo de esperma.

Descansamos, sai primeiro e fui tomar banho, depois o chamei e lhe disse que era para ele se lavar, já que ele comeu foi o cu e não a boceta, ele:

– Foi vô.

– Foi sim disse e é perigoso, faz xixi e entra aqui no boxe do chuveiro que eu te lavo.

Fez o xixi, entrou e comecei a lavar bem lavado o pinto dele primeiro com sabão e depois com sabonete, mexendo já ficou duro de novo, dei uma bela chupada e a tesão voltou, fomos para a cama e eu de barriga para cima ele me amontou e enfiou aquele falo de novo em mim, só que agora na boceta.

Que gostoso, depois fui por cima dele e esfregando a boceta, e fodendo gozei de novo, só que esta gozada foi demorada, parecia a que não parava mais e que ia morrer, me recuperei, fui para baixo de novo e ele metendo que nem um louco gozou também.

Fomos dormir depois de mais de 2 horas de felação, ao acordarmos lá pelas 09:00 da manhã o taradinho queria mais, dei para descargo e ainda bem que ele gozou rápido.

Hoje passados seis anos ele tem 23 anos e eu 67, ele com uma namorada e eu com um companheiro meia boca de cama, mas mesmo com namorada, ainda assim de vez em quando o danadinho ainda quer transar comigo.

Ainda semana passada e numa manhã telefonou para minha casa, meu companheiro atendeu e era o Junior querendo falar comigo, ele me passou o telefone e o Junior disse:

– Vô ás duas horas da tarde vou ao medico e queria que a senhora me acompanhasse, pode?

Disse: sim.

As duas em ponto me pegou e saímos, perguntei onde era e disse que era no centro, mas vi que estava desviando deste, nisto quando percebo ele estava entrando num motel, fodemos até as 17 horas, este acontecimento não é sempre, mas de vez em quando ele apronta isto comigo, como gosto de um pau bem duro e gozo que nem uma desvairada, não contesto.

Só tenho medo de a minha filha descobrir, acho que ela me mata.

Veja abaixo outros contos eróticos de incesto:

Tia tirando a virgindade do sobrinho

Comendo a buceta da enteada safadinha

4 Comentários

  1. Henrique cristiano sabino

    Adorei o conto,e só de pensar que tem um monte de ” vovó ” por ai com fogo na xoxota e os homens indo atrás só de novinha, eu quero as experientes que são bem resolvidas e gozam muito gostoso .sou do RJ ,se alguma vovó tiver vontade me chama no meu email [email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.