Menu fechado

A trans com um pedaço de cano no meio das pernas

Essa foi a maior aventura e mais impressionante saída com trans que já tive, a trans com um pedaço de cano no meio das pernas de 23cm me comeu gostoso.

Tem uma tgata que é daqui de Pernambuco mas mora fora do Brasil há muito tempo. Vem visitar os parentes normalmente durante o carnaval, quando aproveita para fazer programas na terrinha. Eu já a conhecia por anúncios, por duas vezes em anos anteriores tinha ligado para ela e nossos horários não tinham batido, então fiquei na curiosidade.

Mas a curiosidade é que mata o gato, dizem… e quase morri ao matar a minha curiosidade.

Desta vez consegui marcar com ela e nos encontramos num motel. Era no meio da tarde e cheguei primeiro, parti para tomar uma cerveja para relaxar. O combinado era que eu ia chupar MUITO aquele cacete (como disse, tem 23cm e é grosso) e depois comê-la. Nem cogitei de ser passivo com ela, pois já sou difícil de ser passivo e uma trans mais bem dotada não tem chance. RENATA (vou chamá-la assim) com aquilo tudo no meio das pernas, nem pensar.

Mas antes de Renata chegar, eu já tinha tomado quase 3 cervejas de lata e, por não ter almoçado direito pela ansiedade, ajudou para que eu deixasse o nervosismo de lado. Renata chegou, alta (1,80m, declarados, se não for mais), muito educada e já chegou brincando por me ver alegre e de pau duro. “Hoje a festa é completa”, disse ela rindo.

Pegou um copo de cerveja, mas bebeu quase nada durante todo o tempo, pois foi apenas para não me deixar bebendo sozinho. Começamos a conversar, entrosamos nossas conversas e não demorou muito para eu realizar a minha curiosidade: como era chupar um brinquedo daquele tamanho. Ainda estava meio mole quando eu botei na boca e já ocupava a boca!! Chupava o pau, os ovos e descia para dar uma lambida no cuzinho. Ela ria e dizia safadezas, do tipo que ela era a noiva e a gente estava na lua de mel, mas se eu agitasse muito eu viraria uma noivinha linda.

Muito difícil chupar uma rola daquele tamanho. A tesão me levava a fazer esforços, cansei de quase vomitar quando ela batia na minha garganta, mas estava delicioso. Partimos para um 69 e a brincadeira ficou ainda melhor, até porque ela, mais alta e com aquele brinquedo, me chupava com mais facilidade e linguava meu rabo. Com a tesão que eu estava, com as cervejas e como Renata fazia o serviço, eu realmente fiquei louco. E ELA COMEÇOU A QUERER ME COMER.

A trans com um pedaço de cano no meio das pernas

A trans com um pedaço de cano no meio das pernas

Eu neguei, disse do meu medo e já quis partir para comer o rabo dela, pois notei que estava caindo no canto da sereia. Ela sem qualquer oposição me disse ok, “mas deixa eu te chupar um pouco mais”. Me deitou de bruços e me começou a chupar meu cu como nunca tinha sido chupado. Incrível. Ficou tudo melado, a língua dela entrava lá dentro e saía rodando pelas paredes do reto de um jeito que eu quase gozava. Safada e experiente, ela foi enfiando um dedo, dois, e quando pensei que não ela pediu a velha conversa “vamos tentar só a cabecinha???”.

Eu que já estava LOUCO, disse que sim, mas que fosse devagar. Ela pegou uma pomada ou gel, untou o pau e meteu no meu rabo. Na mesma posição, de bruços, ela veio por cima e ficou uns minutos pincelando o pau no meu rego e no meu cu. Sem pressa, só dizendo que adorava “uma noivinha”, que “estava louca para me engravidar”, que “tinha ficado louco de tesão em mim”, etc.

Então ela veio….

Se o pau fosse fino *ou normal”, tinha entrado sem dificuldade. Eu estava relaxado. Mas era “aquilo” e a cabeça entrou com muito tira e bota. Mas entrou. O cu ardia (menos do que eu imaginei), mas a tesão pedia “enfia tudo”. Renata é experiente e vinha bem de leve.

Quando a cabeça entrou, ela não bombou, ficou parada e pediu para eu ficar de frango assado. Fui para a beira da cama e ela veio novamente, sem pressa, com muito carinho e começou a enfiar. Quando já tinha entrado uma parte, ela começou a bombar bem devagar, esperava, tirava uma parte, botava gel, enfiava de novo. Quando via, ela já bombava meu cu, só que SEM ENTRAR O PAU TODO.

Ela já deve ter feito muito estrago e sabe do potencial daquele “cano” que ela tem. A minha sorte foi que Renata é profissional e – minha grande sorte – foi que gozei antes de ela terminar de enfiar tudo. Gozei litros de porra, descontroladamente, gritei alto como nunca tinha gritado, o maior gozo que já tive, tremi o corpo todo, senti o cu apertar aquele pau (Renata não se aproveitou para enfiar o resto, manteve o ritmo e me viu tendo aquele ataque de tesão com todo respeito).

Ela tirou o pau, ainda duro, e eu quase desmaiei após o gozo. Senti um vazio enorme e um relaxamento total. Acho que levei uns 10 minutos para me levantar e ir tomar um banho. Renata nada falou, riu e só quando levantei é que ela me perguntou se queria que ela ficasse ou fosse embora. Pedi para ela ficar, tomar alguma coisa, enquanto eu voltava ao normal.

Já meio recuperado da gozada, tomando uma cerveja e com o cu ardendo e sentido ele bem largo, frouxo, perguntei se ela queria gozar e ela disse que estava bem perto quando eu gozei, só que achou melhor curtir a minha gozada do que tentar gozar, até porque ela queria mesmo era me dar um banho de leite na cara. Eu ri e a tesão foi voltando. O pau dela ficou duro rapidamente, botei ela de quatro e quase não consegui ficar o pau duro 100% para meter no rabo dela, mas fiz. Só umas boas bombadas e pedi leite.

Me sentei na cama e ela ficou em pé, bombando a rola na boca (mais ou menos, porque o calibre não dava) e batendo uma. Quando disse que ia gozar, pedi leite na boca. Ela deu os primeiros jatos na cara e enfiou a cabeça do pau, quando pude beber uns bons goles. Engraçado é que ela logo em seguida me lambeu o rosto, limpou a sua gala que estava lá e me deu um beijo na boca. O beijo mais melado que já dei e foi sensacional.

Só consegui gozar de novo à noite, quando cheguei em casa e me lembrei da aventura. Meu cu passou dois dias meio ardido, eu andava sentido ele frouxo, botava espelho para ver como tinha ficado, enfim, fiquei meio neurado com isso. MAS VOU REPETIR A DOSE. Renata me disse que quer enfiar o pau todo no meu cu, que da próxima vez será mais fácil.

Fácil com aquele tamanho e grossura? Nunca.
Delicioso demais? Sempre.

Veja abaixo outros contos eróticos de travestis:

Meu cu foi arrombado por uma trans gostosa

Saí com travesti por acaso e adorei

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.