Menu fechado

Comendo a buceta virgem da minha enteada

Hoje vou contar a história do dia que acabei comendo a buceta virgem da minha enteada, que sempre tratei como filha e por muitas vezes chamava como se fosse. Essa história aconteceu durante uma viagem nossa em que não consegui controlar meu tesão ao ver minha enteada, uma ninfeta linda com a saia levantada, e a melhor parte foi saber que ela também queria transar comigo, confiram esse relato.

Marina, minha filha, boa aluna e como prêmio uma viagem ao Caribe .
Nos seus dezoito anos, é uma moça forte e desinibida, Só que perdeu o voo de volta e Sozinha num país distante de tudo quanto conhece, era natural que desesperasse, daí a minha urgência na sua volta.
Moramos na Espanha e em Madrid, verifiquei que o avião que Marina viria estava atrasado. Marina chegou, estarrecia e com medo de não me encontrar , na verdade Marina é minha enteada.
Ela me abraçou apertando-me o seu peito, e pude sentir os seus seios grandes,

Marina muito bonita. Depois dos beijos e abraços, afastei-me , para a contemplar melhor…

As coxas desenvolvidas, os seios espetados e redondos , as pernas torneadas e fortes, o rosto moreno do sol das praias ,me inspirava uma sensualidade, me levou a pensar que tinha perdido uma menina, mas tinha ganho uma bela mulher, como filha.

Era quase dez da noite, quando saímos rumo a nossa casa . Tínhamos umas sete horas de viagem, paramos para comer.

Depois cansada ,sugeri-lhe que deitasse as pernas sobre mim, puxei o banco para trás ,com as pernas dobradas, adormeceu.

Dirigindo começo a pensar em sexo, acaricio a minha pica , mesmo por cima da roupa, e essa tesão que começo a sentir, consegue afastar o sono.

Com a minha enteada mesmo ali ao lado, ou melhor, em cima de mim, afastei essas ideias.

O que não era fácil, com as pernas da minha menina pousadas nas minhas, precisamente em cima do meu sexo…Pus a mão direita sobre as pernas dela,

sua pele muito suave, e olhando para baixo, pude constatar que a saia tinha subido a cintura dela, deixando ver suas nádegas.

Marina uma mulher completa, corpo, moldado, sensual e atraente.

Sem lhe tocar, meu caralho endureceu, meti a mão entre as pernas dela, e abri meu zíper .

O meu caralho saltou alegre para o ar livre, nessa altura a minha filha estava deitada de costas, com os joelhos dobrados, e tinha o rabo mesmo encostado a mim, na minha perna direita.

Podia ver-se o triangulo da bucetinha.

Comendo a buceta virgem da minha enteada

Comendo a buceta virgem da minha enteada

Marina dormia profundamente, parecia. Com medo, passei levemente a mão sobre aquela bucetinha … Ela nem se mexeu. Insisti mais um pouco, e meti os dedos por baixo da calcinha . Estava muito quente,

Passei timidamente um dedo entre os dois lábios vaginais, molhei um dedo com saliva. Agora, escorregava com facilidade entre os dois montinhos de carne jovem…

Aflorei a entrada , meti o dedo completamente dentro da bucetinha . Marina adormecida. Meti o dedo tanto quanto podia meter, era tão gostoso.

Exalava um forte odor de mulher, fêmea, e o sabor dela… indescritível..

Marina mantinha-se na mesma posição havia muito tempo. As pernas dobradas em cima de mim, as nádegas gostosas encostadas à minha carne, e inclinei-me o máximo para ela. O meu caralho ficou encostado, e pude sentir aquele calor dela na pele da pica.

Virando-me todo, afastei a cueca e entalei a pica na bucetinha fui penetrando naquela maravilhosa fenda feminina, primeiro a cabeça do caralho, depois mais um pouco, e mais um pouco.

De vez em quando passava alguém na estrada, e nesses momentos podia contemplar a minha bela princesa adormecida, as pernas bem abertas.

De joelhos sobre o banco, entre as pernas dela, comecei a introduzir o caralho na minha enteada , muito devagar, com esperança que ela não acordasse.

Fui metendo, sempre, de vez em quando sacava para fora para imediatamente voltar a introduzir-me nela, quando ela soltou um longo suspiro. Fiquei quieto, meti mais um pouco. Marina soltou um gemido, e era de prazer, um prazer intenso, profundo…
Meio sonolenta parecia dizer: Mete, querido, mete tudo!

-Oh, querida, adoro-te, quero-te, tenho de te foder, toma nessa filha, toma!

Deitei-me todo em cima dela, perdido o medo e a vergonha, meti-lhe as mãos por baixo das costas e da cintura puxando-a para mim, senti os colhões a tocarem naquelas nádegas maravilhosas,

Senti o caralho a murchar, ainda tentei meter nela um pouco mais, mas não havia nada para meter.

– Querida… – deitada a meu lado, essas pernas belas, esse sexo…irresistível, comecei a ficar cheio de tesão… oh filha, perdoa o teu pai, meu amor, eu quero-te tanto, mas sou um miserável, um canalha!

Minha enteada queria dar pra mim

– Pai, deixa lá, também não precisa ficar assim, eu compreendo, sabe eu estava adorando você dentro de mim, e até estava a gostar se não fossem os preconceitos, quem sabe, eu já tivesse sexo com você a muito tempo, ouço mamãe gritando no sexo com vc e eu ficava com muito tesão.

Olhei para ela, e a beijei suavemente ,nisso meu caralho deu sinal de vida de novo.

Marina pegou-o com carinho, depois, carinhosamente, baixou o rosto e com meiguice, acariciou-me a pica. O perfume dos cabelos dela junto da minha cara, as duas mãos dela a pegar no caralho ficou teso.

Peguei-lhe na nuca e beijei-a na face. Marina abraçou-me, quando se deu conta que estava dentro dela. Mirei-a nos olhos, Marina rodeou-me o caralho com as mãos, e começou uma fantástica punheta.

– Querida, amor…coloca na sua boquinha? Senti a língua dela em redor da cabeça da pica, depois, do prepúcio. Encostei a mão direita na nuca dela, e empurrei ligeiramente.

Deixou-se guiar, e o meu caralho penetrou naquela boquinha gulosa, até ficar totalmente lá dentro.

Meti os dedos entre as nádegas dela. Marina abriu as pernas para me facilitar a vida, besuntei os dedos com saliva, mergulhei no rego do cuzinho dela, e alcancei a entrada da cona.

Estava completamente molhada de tesão, a minha filha.
Ela sugava e lambia, gulosa, até estalar os lábios em volta do meu caralho.

Comendo a buceta virgem da minha enteada

Deitei-me no lugar dela, as pernas encolhidas junto do volante, e ela sentou-se sobre o meu rosto, as pernas bem abertas para a lamber.

Suguei longamente naquela bucetinha molhada, mordiscava -lhe o grelo até ela gritar de gozo, depois, sentindo-a desfalecer ao atingir um prolongado orgasmo e penetrei-a.

– fode, fode-me, vem-te dentro de mim, quero esse leitinho, quero a tua porra, quero sentir-me toda molhada de ti, vem…mete tudo !

Um jato forte inundou aquela bucetinha , seguido de outros menos intensos, encheram a minha filha de porra.

Deliciosamente cheia, inundada, e assim nunca mais deixamos de dar belas fodas, eu e a minha filha. Marina casou.

Mas três vezes por mês, ainda damos belas fodas,
É o nosso segredo, o mais saboroso segredo que pode existir entre um pai e a sua enteada adorada…

Veja outros contos de incesto abaixo:

Padrasto e enteada fazendo sexo

Titia tirando a virgindade do sobrinho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *