Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Conto Erótico » Contos de Sexo » Eu fui o ás da manga nesta foda (Longo porém delicioso!!)

Eu fui o ás da manga nesta foda (Longo porém delicioso!!)

Publicado em 20/11/2023 por Puro Tesão

Finalmente sexta-feira! Saio do trabalho em uma hora. Mas hoje não é uma sexta-feira qualquer. Hoje é a primeira sexta-feira do mês. E isso é algo especial. Hoje é noite de patinação! Toda primeira sexta-feira do mês meu marido Marcio e seus amigos Paulo, Roberto e Pedro se encontram em nossa casa para pôquer. Na verdade nada de especial. Mas estou incluído nesta noite de pôquer há cerca de um ano. Não, eu não jogo pôquer! Sou responsável pelo bem-estar físico dos jogadores. E isso em todos os aspectos!

Marcio tinha cada vez menos tempo para mim porque estava cada vez mais ocupado com o trabalho. E então aconteceu o que aconteceu com muitos casais. Cerca de dois anos atrás eu o trapaceei. E não porque eu não amasse mais Marcio, mas porque simplesmente me sentia sexualmente negligenciada. Mas não consegui conviver com meus sentimentos de culpa e confessei meu erro a Marcio. Eu já estava me preparando para o divórcio. Mas Marcio reagiu de forma completamente diferente. Tiramos um fim de semana de folga. Entregamos os filhos aos meus pais, que ficaram felizes como sempre. E fomos para a praia. Conversamos em longas caminhadas. Conversamos durante todo o fim de semana. E encontramos nosso amor novamente. No sábado à noite, sentamos em um pequeno restaurante como duas pessoas que acabaram de se apaixonar. O mundo estava certo novamente.

Bebemos vinho enquanto comíamos. Mais do que você costuma beber durante uma refeição. E então estávamos bastante alegrinhos no final da noite. No hotel quase caímos um no outro e fodemos como nos melhores dias. Depois, quando ficamos aconchegados na cama, juramos sempre falar abertamente sobre nosso relacionamento e nossos desejos para o futuro. Nós dois estávamos felizes.

De repente, Marcio me perguntou como era com o outro homem. Respondi que não tinha sido nem melhor nem pior. Apenas diferente. E que eu gostava de ser apenas uma mulher desejável. Eu também disse a ele que meu passo em falso não tinha nada a ver com amor, mas que eu só queria ser bem fodida de novo. Marcio queria saber mais. Não o nome do homem, apenas como era. Eu deveria contar a ele como fui fodida. Enquanto eu lhe contava a história, ele dedilhava minha boceta. Fiquei cada vez mais excitada. Percebi que Marcio também ficou animado com minha história. Eu lentamente sacudi seu pau, que já estava duro novamente. Quando terminei minha história, eu estava entusiasmado com sua ereção. Marcio também estava pronto para a próxima foda. Falar putaria nos deixou incrivelmente com  tesão. Agora eu queria dar a ele algo que ele sempre quis. Peguei seu pau na minha boca. Chupei, lambi e me masturbei até ele estar perto de gozar. E desta vez não parei. Mas esta noite eu queria dar ao meu marido o que ele sempre quis. Ele queria afastar minha cabeça quando gozou. Mas eu resisti e ele entendeu o que eu queria. Ele atirou toda a porra na minha boca. E eu achei legal. Não tinha exatamente gosto de mel, mas foi a situação que me excitou. Marcio sorriu feliz para mim. Mas eu queria realizar mais um desejo do meu marido. Eu disse a ele: “Se você levantar de novo, querido, quero seu pau na minha bunda, quero que você coma o meu cu”.

Ele tentava foder meu rabo de vez em quando, mas eu sempre recusava. Agora eu queria realizar seu desejo. A própria ideia parecia excitá-lo imensamente. Seu caralho se contraiu novamente. Bem, dez minutos depois tive meu primeiro orgasmo com um pau na bunda. Foi fantástico. Nunca pensei que algo assim pudesse me excitar.

​Na verdade, queríamos passar o domingo caminhando na praia. À noite, queríamos voltar para casa. Mas não saímos do hotel durante o dia. Nós transamos como se não houvesse amanhã. Levamos a comida para o nosso quarto. Pouco antes de começarmos nossa jornada para casa, Marcio me deu uma foda e tanto. Juntos alcançamos um clímax final e magnífico. Depois disso nada funcionou mais. Quando entregamos as chaves e pagamos a conta, a recepcionista sorriu conscientemente para nós e se despediu dizendo: “Se quiserem passar mais um fim de semana em paz, sejam muito bem-vindos”. Saímos do hotel de braços dados. Na volta tentei chupar o pau do Marcio enquanto dirigia. Mas o pequeno Marcio não se mexeu mais. Também não foi uma surpresa.

O fim de semana definitivamente mudou completamente a nossa vida sexual. Não estávamos mais dormindo juntos, estávamos transando, fodendo, eu dando como uma cadela no cio! E eu me divertia sempre inventando algo novo que enriquecia nossa vida sexual. Mas Marcio também. Comprei lingerie sexy, algo que nunca teria feito antes. Surpreendi Marcio com uma boceta raspada e brilhante. Marcio me levou para jantar e eu só pude usar vestido. Eu estava nu por baixo. Enquanto comia, ele continuou tocando minha boceta encharcada. E conversamos obscenamente um com o outro. Eu me peguei usando palavras que nunca teria usado antes. É claro que nos certificamos de que as crianças não percebessem nada. Apesar de todos esses jogos de putaria, ainda nos tratávamos com ternura e amor. Claro, Marcio não trabalhou menos. Ainda assim, ele se importava muito mais comigo agora. E, claro, também sobre as crianças. Nosso casamento foi salvo.

Então Marcio teve que ministrar um treinamento por uma semana. Eu não tinha medo de que ele me traísse. Simplesmente vivíamos muito harmoniosamente para isso. E Marcio também não teve reservas em me deixar sozinha por uma semana. Poucos dias antes de sua partida, ele quis tirar algumas fotos minhas. Claro, nu e em poses explícitas. Ele disse que pelo menos teria algumas fotos minhas quando estivesse sozinho no quarto do hotel. No começo eu estava cético, mas depois gostei muito de posar na frente da câmera dele. Fiquei com tesão por ser modelo para meu marido. Fui ainda mais longe do que ele desejava. Enfiei os dedos na minha boceta, segurei minha boceta e meu cu bem abertos, depois lambi meus dedos novamente e pedi repetidamente a ele para tirar fotos excitantes da minha boceta e do meu cu. É claro que ele não aguentou por muito tempo e depois de pouco tempo enfiou seu próprio tripé nos buracos fornecidos. No final ele borrifou todo a porra no meu rosto e tirou algumas fotos.

Quando Marcio saiu para o treinamento, ele me deu um presente. Estava tão embrulhado que eu não sabia dizer o que era. Mas eu não deveria abri-lo até que ele me ligue.

Depois de dois dias chegou a hora. Marcio ligou tarde da noite. Depois de trocarmos os carinhos habituais ao telefone, ele me pediu para abrir o presente. Um belo consolo!!!! Um bem grande, na verdade. Foi assim que experimentei meu primeiro sexo por telefone. Marcio punhetou seu pau e me aplaudiu enquanto olhava minhas fotos. E eu o animei, movendo a coisa grossa na minha boceta. Nós coordenamos para que ambos viéssemos ao mesmo tempo. Não foi a mesma coisa se Marcio estivesse comigo, mas foi legal. Fazíamos isso todas as noites até Marcio chegar em casa.

Mais tarde incluímos também “brinquedo” em nossos jogos. Foi assim que fui fodido nos dois buracos pela primeira vez. O pau de borracha na minha boceta e Marcio na minha bunda. Como o pau de borracha era um pouco mais grosso, fiquei com um pouco de medo de colocar a coisa no cu. Mas uma vez que eu estava particularmente excitado e selvagem, ele trocou e dirigiu a coisa lentamente e com muito lubrificante até o meu intestino. Achei que iria rasgar meu esfíncter. Mas isso não é suficiente. Quando ele forçou seu pau na minha boceta, senti como nunca tinha sentido antes. Eu gritei e tive convulsões, passando de um orgasmo para o outro. Foi essa mistura da dor do estiramento e dos movimentos na minha bucetinha que causou essas sensações. Nem percebi se Marcio veio ou não. De qualquer forma, essa experiência finalmente me deu gosto. Minha bunda era pelo menos tão sensível quanto minha boceta. Eu poderia gozar de uma foda dura, assim como poderia gozar de uma foda normal. Mas a melhor parte foi quando os dois buracos foram fodidos ao mesmo tempo. Como já tinha aprendido a preparar-me adequadamente para estes jogos anais, não houve mais surpresas desagradáveis ​​na forma de camas sujas. Marcio e eu até incluímos essa preparação na forma de enemas e duchas em nossos jogos. Foi exatamente isso que me deu uma sensação especial de familiaridade.

Em algum momento, depois de uma dessas trepadas monstruosas, Marcio me perguntou se eu realmente imaginaria ser fodido por dois homens. Eu respondi a ele que não poderia ser comparado. Duas picas de verdade definitivamente seriam diferentes. Ele então me perguntou se eu queria experimentar. Respondi mais brincando que certamente seria interessante fazer isso. Não falamos mais sobre isso.

Enquanto eu estava sendo fodido mais uma vez por Marcio e pelo pau de borracha, a conversa voltou à minha mente e imaginei que o outro pau também fosse real. A ideia de ser fodida por dois homens, juntamente com os sentimentos nos meus buracos, levou-me ao limite. Marcio percebeu exatamente o que estava acontecendo. Além disso, quando tive orgasmo, provavelmente encorajei “meus dois homens” a me foderem com mais força.

Era noite de patinação novamente. Depois todos nós fomos para casa. Os homens sentaram-se na sala de jantar e brincaram enquanto eu assistia TV na sala de estar. Como de costume, servi um pequeno lanche por volta das 22h. Como sempre, os homens estavam de ótimo humor. Sentei-me com eles e comi alguma coisa também. Eu gostei muito dos três. Paulo, Roberto e Marcio tinham quase a mesma idade e se conheciam desde o tempo em que estiveram no exército. Paulo ainda estava no clube. Pedro era alguns anos mais velho e era cunhado de Roberto. Tínhamos uma amizade profunda. Roberto e Paulo não eram casados. Pedro era casado com a irmã de Roberto. Eu também conhecia bem a esposa de Pedro, Ana. Tornamo-nos amigos em festas juntos.

Depois do jantar, voltei para a sala e assisti a um filme emocionante tarde da noite. Por volta da 1h da manhã o grupo de pôquer se separou. Paulo morava a poucas casas de distância, na mesma rua. Pedro pediu um táxi. Como sempre, Roberto passaria a noite no quarto de hóspedes, uma vez que morava em outra cidade. Nos despedimos dos dois juntos. Durante o abraço habitual, Pedro agarrou minha bunda novamente e disse, como sempre, Marcio poderia estar orgulhoso de sua linda esposa.

Nós três voltamos para a sala. Marcio sugeriu outra bebida antes de dormir. Enquanto os dois ficaram com suas cervejas, peguei um copo de martini na cozinha. Roberto estava apenas perguntando a Marcio por que Pedro tinha permissão para agarrar minha bunda todas as vezes e por que só ele tinha permissão para fazer isso. Marcio respondeu com um sorriso que minha bunda não se desgastaria só de tocá-la. E perguntei a ele, de forma um tanto provocativa, quem disse que apenas Pedro tinha permissão para fazer isso. Ainda me lembro do rosto perplexo de Roberto. Fiquei na frente dele, esperando que ele tivesse coragem de agarrar minha bunda também. E com certeza ele fez isso e acariciou suavemente minha bunda. Marcio assentiu discretamente para mim. De qualquer forma, Roberto fez um comentário agradecido. Minha boceta estava coçando!

Retirei-me com um pedido de desculpas. Eu tinha certeza de que Marcio concordaria. Roberto era um cara muito legal. Bonito, educado e educado. Eu não tinha certeza que ele responderia ao meu jogo ou ao nosso jogo. Desapareci escada acima para o banheiro e me refresquei. Depois fui para o nosso quarto e escolhi algo sexy para vestir. Escolhi uma tanga ultra-justa e uma camisola quase totalmente transparente. Só as sandálias altas e eu pareciam, na minha opinião, tais que nenhum homem resistia. Uma olhada no espelho confirmou isso e eu estava com calor, com tesão, enlouquecida!!. Esperançosamente, não haveria decepção e Roberto participaria.

Quando desci as escadas para a sala, o queixo de Roberto caiu. Marcio também olhou para mim com apreço. Fui até Roberto e disse a ele que já estava me preparando para dormir e que ele poderia verificar minha bunda novamente.

Ele olhou para Marcio com hesitação e interrogação. Marcio apenas disse a ele, rindo, que se ele tivesse alguma coisa contra, Roberto já estaria com um olho roxo há muito tempo. O álcool que eu tinha desfrutado e minha roupa atraente acabaram com as inibições de Roberto. Ele acariciou minha bunda com ternura. Perguntei se ele gostou. Ele gaguejou um acordo. Sentei em seu colo e o beijei apaixonadamente. Isto não ficou sem consequências. Ele agora massageava minhas nádegas sensualmente. Enquanto continuava a beijá-lo, desabotoei sua camisa e acariciei seu peito. Pelo canto do olho vi Marcio massageando seu pau agora duro através das calças. Então ele também gostou da ideia. Então deslizei do colo de Roberto e me ajoelhei na frente dele. Abri o zíper de suas calças e libertei seu pau duro. E ele não era um pau pequeno, era sim um belo caralho para me foder como uma puta. Eu o devorei avidamente com minha boca. Roberto gemeu. Lambi e chupei até que ele estava prestes a gozar. A antecipação já estava acabando na minha boceta. Mas eu não o deixei gozar. Sentei-me, olhei para sua cara decepcionada e ri: “Assim não, meu querido. Eu também quero um pouco.” Pedi aos dois que finalmente se livrassem das roupas. Nunca vi com que rapidez os homens conseguem ficar nus. Também tirei os dois pedacinhos que na verdade não cobriam nada. O caralho de Roberto ainda estava em riste. Sentei em seu colo novamente. Mas desta vez eu me empalei. Sem resistência, o pau me penetrou até o fim. Nós dois gememos. A situação me excitou incrivelmente. Meu amado marido me viu transando com seu amigo. Olhei brevemente para Marcio. E meu marido entendeu imediatamente. Eu queria uma foda dupla.

Já tinha minha entrada traseira bem lubrificada. Marcio se posicionou atrás de mim e enquanto eu parava brevemente meus movimentos, ele colocou seu pau no meu cu. Já estava claro para mim de antemão que esse número não seria uma sessão de sexo papai / mamãe. Mas quando Marcio empurrou seu pau até minha bunda, eu gritei. Doeu por um momento, mas foi bom. E então ele começou a empurrar. E comecei a gritar novamente. Mas desta vez não por causa da dor, mas por puro prazer e luxúria. Uma sensação incrível. Completamente diferente da pica de borracha. Bem na minha frente estava o rosto de Roberto, distorcido de prazer, que provavelmente nunca tinha experimentado algo assim antes. E eu entre os dois. Eles rapidamente encontraram um ritmo comum. E encontrei meu primeiro orgasmo. Mas o segundo já estava pronto. A coisa toda durou no máximo cinco minutos. E eu só tive um orgasmo. Mas durou cinco minutos. Conforme combinado, os dois injetaram seus sucos em meus intestinos ao mesmo tempo. Eu vi estrelas. Um monte de fogos de artifício explodiu na minha cabeça. E com um estrondo final imaginário tudo ficou escuro ao meu redor.

Quando acordei, vi dois rostos preocupados na minha frente. Mas quando sorri alegremente para os dois, a preocupação em seus rostos desapareceu. Marcio apenas disse: “Sempre quis foder você até ficar inconsciente”. E eles conseguiram. Roberto me deu algo para beber. Enquanto isso, peguei meu marido nos braços e sussurrei “obrigada” em seu ouvido. Conversamos depois e esclarecemos Roberto. Pedimos desculpas pelo ataque e garantimos que definitivamente não foi planejado. Quando questionado se ele estava com raiva de nós agora, ele apenas riu e disse como deveria estar com raiva de nós por uma experiência tão boa. Marcio e eu ficamos aliviados.

Demorou um pouco para me acostumar, ficar sentada tão nua entre dois homens. Para quebrar o gelo, eu tinha que fazer alguma coisa agora. Então fui até Roberto e o beijei novamente. Perguntei-lhe se já tinha esgotado a munição ou se ainda faltava mais um tiro para mim. Mas ele não precisou responder à pergunta. Quando alcancei seu pau, notei as primeiras contrações. Mas então Roberto me surpreendeu. Ele perguntou quase timidamente se poderia lamber minha boceta. Ele nunca tinha lambido uma boceta tão nua. Eu concordei mais do que prontamente. Deitei-me no sofá e abri as pernas. Separei meus longos lábios com os dedos. Só o fato de me apresentar assim na frente de um homem me deixou com tesão novamente. E Roberto aceitou ansiosamente minha oferta.

Enquanto Roberto me lambia, se deliciando com a porra do meu marido que ainda escorria da minha boceta, eu estava cada vez mais perto de um novo orgasmo, Marcio simplesmente enfiou seu pau na minha boca. Mas não foi como de costume eu lambi e chupei seu pau, mas ele realmente me fodeu na boca. Desta vez demorou um pouco mais até eu chegar. Mas Roberto sabia como usar a língua. Ele também estimulou minhas entradas com os dedos. Às vezes ele enfiava o dedo na minha boceta, às vezes na minha bunda. Depois, a pegada do boliche. (Um dedo em cada buraco) Sua língua lambeu habilmente meu clitóris. Quando ele percebeu que eu estava perto, enfiou dois dedos na minha boceta e estimulou meu ponto G. Isso veio até mim. Diferente de antes com a foda dupla violenta, mas ainda assim boa. O subconsciente provavelmente desempenhou o papel mais importante. Essa situação incrivelmente quente de ser mimada por dois homens. Eu esperava até o fim que Marcio gozasse na minha boca para finalizar. Mas ele se conteve. Quando cheguei, ele até tirou o pau da minha boca para que eu pudesse respirar o suficiente.

Roberto saiu com o rosto entre minhas pernas. Todo o seu rosto estava brilhante com a minha umidade. Ele me agradeceu novamente pela ótima experiência. Eu não tinha feito nada por ele. Na verdade, eu deveria ter agradecido. Mas eu queria fazer isso de uma maneira diferente. As picas dos dois ainda eram uma só. Então coloquei Roberto em posição supina e passei por cima dele.

ele pensou que poderia me foder na minha boceta novamente, ele estava errado. Eu não queria perder a oportunidade de dar uma verdadeira foda dupla e aproveitar o momento. Quando eu teria a oportunidade novamente? Então coloquei seu pau no meu cu e lentamente me abaixei sobre ele. Apenas a penetração lenta até a parada desencadeou em mim sentimentos que eu nunca teria pensado serem possíveis antes. Comecei a andar lentamente. Repetidamente enfiei o pau impressionante profundamente em meus intestinos. Marcio não durou muito como espectador. Ele se ajoelhou entre minhas pernas abertas e enfiou seu pau na minha boceta encharcada. Novamente eu tinha dois membros vivos e trêmulos em meu abdômen. Desta vez fomos mais devagar. Os dois me foderam a tempo com estocadas longas e profundas. Enquanto um penetrou, o outro recuou. Mas então eles mudaram. Ambos se retiraram e me penetraram profundamente ao mesmo tempo. Eu estava completamente preenchida. Algumas dessas estocadas duplas foram suficientes para acabar comigo. Mais uma vez gritei meu orgasmo descontroladamente. Mas eles não me deram descanso. Eles continuaram a me foder com mudanças de ritmo. Às vezes alternando, às vezes penetrando juntos. Quando voltei, Roberto não aguentou mais. Ele esporrou profundamente na minha bunda. Marcio se afastou e descarregou seu suco na minha boca e no meu rosto. Completamente exausta, caí para o lado com o pau lentamente flácido de Roberto deslizando para fora da minha bunda. Levei alguns minutos para recuperar o fôlego. Bebemos algo juntos e agradeci aos dois. Principalmente meu marido, porque sem ele isso nunca teria se concretizado.

Depois conversamos na cama. Roberto havia desaparecido no quarto de hóspedes. Disse ao meu marido o quanto o amava e que estava muito grata a ele pela oportunidade de vivenciar algo assim. Mas ele disse que não era eu quem devia agradecer, mas ele a mim. Qual homem teria uma mulher com tanto tesão com quem ele poderia vivenciar coisas tão boas. Então nós dois ficamos felizes. Adormecemos fortemente abraçados.

Quando acordei, estava sozinho. Marcio já estava acordado. Uma olhada no relógio me assustou. 10:00 da manhã ! Nunca acordei tão tarde num sábado. Quando me levantei da cama, lembrei-me abruptamente da noite passada. Tudo doeu. Deve ter sido muito violento. Tomei um banho rápido e coloquei uma calça de moletom e uma camiseta.

Quando entrei na sala, Roberto e Marcio estavam sentados lá e ambos tomavam café. Marcio se levantou, me pegou nos braços e me deu um beijo. “Bom dia, minha querida,” ele me cumprimentou. Eu o abracei com força. Os dois já haviam pegado os pãezinhos e arrumado a mesa do café da manhã. Eu estava realmente estragado. No café da manhã, Marcio me contou que havia conversado detalhadamente com Roberto porque ele estava com a consciência pesada. Como beber demais e tirar vantagem da situação e coisas assim. Ele explicou a Roberto que eu queria experimentar algo assim há muito tempo. E que ele teria preferido vivenciar algo assim com um amigo do que com um estranho.

Roberto então nos agradeceu. Ele nunca havia experimentado nada tão tesudo. Ele me deu um elogio após o outro. Eu me senti muito lisonjeada. Então a situação foi salva. Nós três ficamos satisfeitos. E senti que estávamos todos falando sério. Roberto era realmente um bom amigo. Depois do café da manhã, Roberto foi para casa. Marcio continuou a zombar da minha caminhada um tanto aberta durante todo o dia.

Nas semanas que se seguiram, Marcio e eu vivemos da experiência. Sempre ficamos entusiasmados com isso. E nós dois decidimos envolver Roberto em nosso ato sexual novamente na próxima noite de pôquer.

Quando chegou a hora, Roberto me surpreendeu com um lindo buquê de flores. Pedro e Paulo perguntaram o que eu fiz para merecer isso. Roberto então apenas disse que eu tinha feito um favor a ele. Foi mais uma noite ótima e quente. Com uma pequena diferença. Na manhã seguinte, depois do café da manhã, os dois abusaram de mim novamente.

Roberto era incluído em nossas relações sexuais a cada quatro semanas. Mas ele nunca fez exigências, mas sempre esperou pela nossa iniciativa. Sempre ansiava pela noite de patinação e me tornei cada vez mais corajoso. No nosso habitual jantar juntos, toquei em Roberto por baixo da mesa. Agarrei sua virilha uma vez. Peguei sua mão e levei-a para minha fenda molhada.

E então um dia aconteceu. Houve os beijos habituais na saudação. Quando cumprimentei Roberto, coloquei minha língua em sua boca como um beijo de saudação, que ele respondeu por reflexo. Mas não dei importância a isso. Depois de jantarmos juntos, onde novamente houve alguns toques provocativos debaixo da mesa, fiquei na cozinha e coloquei a louça na máquina de lavar louça. De repente, Pedro estava parado ao meu lado. Ele olhou para mim com raiva. E ele me disse diretamente que estava observando Roberto e eu há algum tempo. Não passou despercebido para ele o que estávamos fazendo debaixo da mesa. E o caloroso beijo de saudação de hoje foi o fator decisivo.

Ele me acusou de trair Marcio com Roberto. Claro que neguei tudo. Mais tarde, quando Marcio estava no banheiro, ouvi os homens discutindo. Isso nunca havia acontecido antes entre os quatro. Obviamente era sobre mim e Roberto. Paulo e Pedro o acusaram de destruir nosso casamento. Claro que Roberto também negou tudo. Quando Marcio voltou, a discussão parou. Mas o clima permaneceu deprimido. Liguei para Marcio e contei-lhe brevemente o que havia acontecido. Marcio pensou sobre isso. Então ele me pegou pela mão e caminhou comigo até os outros.

Lá ele explicou a Paulo e Pedro o que havia acontecido conosco. Porém, sem detalhes. Ele enfatizou que certamente seria um pouco incomum, mas não proibido. E isso nós três concordamos. E nada aconteceria pelas suas costas. E, finalmente, Pedro teria sido quem iniciou, porque ele agarrou minha bunda novamente. Paulo ficou sem palavras. Pedro sorriu. Acrescentei também que gostei dos três igualmente e que isso poderia ter acontecido com qualquer um deles naquela noite. Para confirmar minhas palavras, dei um grande beijo em todos. A situação foi salva. Pedro acabou de dizer a Roberto que ele era um cara de sorte.

Pôquer não era mais tocado. Sentamos à mesa e conversamos. Os tópicos tornaram-se cada vez mais escorregadios. A dada altura, surgiu o tema do tamanho do pau. E eu disse que o tamanho não era importante apenas, mas também como o ‘homem’ lidava com isso. Paulo ficou um pouco mais quieto sobre o assunto. Ao que Marcio disse que Paulo provavelmente veria as coisas de forma um pouco diferente. Perguntei por que isso acontecia, presumindo que Paulo fosse um pouco pequeno demais. Marcio riu porque suspeitou dos meus pensamentos. Não deveria ser assim. Com Paulo tudo seria um pouco maior. No exercito ele foi apelidado de ‘Jumbo’. O que isso significava, perguntei ainda mais. Paulo era alto e musculoso. Então o apelido estava correto. Meu marido achou que o apelido se referia mais aos apêndices de Paulo. Teria o formato de uma tromba de elefante. Eu tive que rir. Não há nada parecido. Claro que havia diferenças de tamanho. Mas Paulo não conseguia rir junto. Ele falou sobre seus problemas em encontrar uma mulher com quem pudesse jogar todos os jogos de que estávamos falando. Eu simplesmente não conseguia acreditar.

​Marcio então disse a Paulo: “Mostre para Sandra.” Todos nós já tínhamos bebido muito e então Roberto e Pedro também pediram a Paulo que pegasse seu malão. Paulo então concordou com certa relutância. Ele se levantou, abriu o zíper da calça jeans e empurrou-a para baixo. Então ele enfiou a mão no cós da cueca e lentamente empurrou-a para baixo também. Eu não pude acreditar no que aconteceu. Um membro que já era maior quando flácido do que o de Marcio quando ereto. Fiquei maravilhado com a peça, incrédulo, mas ao mesmo tempo fascinado. Ao fazer contato visual brevemente com meu marido, obtive seu consentimento.

Eu fui o ás da manga nesta foda (Longo porém delicioso!!)

Eu fui o ás da manga nesta foda (Longo porém delicioso!!)

“Posso tocá-lo?”, perguntei a Paulo. Paulo também olhou brevemente para Marcio, que concordou com a cabeça. Eu agarrei-o com cuidado. Isso é bom. Grande, mas bom. E cresceu na minha mão. Movi o prepúcio para frente e para trás algumas vezes. A pica continuou a crescer. Até que eu tivesse o tamanho completo e rígido na mão. A melhor forma de comparar o rabo era com uma linguiça de carne. Estimei pelo menos 25cm de comprimento e 6-7cm de espessura. Não resisti à tentação e me agachei na frente de Paulo. Lambi a cabeça e tentei colocá-la na boca. Isso foi tudo. Mas nada mais. Então deixei a cabeça na boca e brinquei com a língua. Ao mesmo tempo, puxei lentamente a haste grossa. Esqueci tudo ao meu redor. Qual seria a sensação de sentir aquela coisa enorme na minha boceta. A penetração no meu traseiro era ilusória. Mas a ideia de ser fodido pela coisa me deixou com tesão. Lentamente, a pica começou a se contorcer. Paulo estava se aproximando do orgasmo. Tentei colocá-lo mais fundo em minha boca, mas só consegui parcialmente. Paulo tentou educadamente me avisar pouco antes de chegar. Como ele poderia saber que o esperma agora era uma iguaria para mim? Ao agarrar sua bunda com a mão livre e puxá-lo para mim, sinalizei minha disposição. Então ele se soltou e esguichou. A carga que ele atirou na minha boca combinava com o pau grande. Eu mal conseguia engolir. Mas consegui garantir que quase nada deu errado. Apenas um pequeno fio escorria do canto da minha boca. Quando nada mais aconteceu, soltei-o da boca. Aplausos vieram dos outros homens. Paulo disse que nunca teve algo tão bom com a boca.

Agora eu já tinha feito algo com todos, exceto Pedro. Então me virei para ele e ordenei: “Abaixe as calças!” Não foi preciso dizer duas vezes. Mas eu não precisava mais estimular Pedro. A apresentação a Paulo provavelmente não o deixou apenas com tesão. Pedro também tinha um pau muito grande. Mas não deve ser comparado com a tromba do elefante de Paulo. Pedro estava deitado entre Marcio e Roberto de um lado e Paulo do outro. Fiquei melhor na boca. Aqui também continuei até que ele se derramou em minha boca com um gemido alto. Mas não tive folga. Nesse ínterim, Marcio e Roberto também tiraram os paus. Então, depois de Pedro, eu fodi primeiro Roberto, depois Marcio. Isso me fez sentir maravilhosamente suja, uma verdadeira puta. Minha boceta estava encharcada. Enquanto eu chupava meu marido, ele tirou meu vestido fino, por baixo do qual claro eu não usava absolutamente nada. Os homens agora também estavam nus. Depois que Marcio descarregava, levantei-me e agradeci pela deliciosa sobremesa.

Mas agora os meninos deveriam cuidar de mim. Fui para a sala e abri as pernas no sofá. Claro que os homens me seguiram. Eu queria um pau dentro de mim agora e chamei Pedro até mim. Ele fez preparativos para me mimar primeiro com a língua. Eu lutei contra isso e disse a ele que estava molhado e com bastante tesão e agora só queria ser fodido. O grande pau de Pedro me penetrou lentamente. Foi muito emocionante. Mas ele continuou insistindo, até o fim. Então ele começou a me foder com golpes lentos. Isso foi bom, até muito bom. Depois de apenas algumas estocadas, gozei pela primeira vez. Pedro até conseguiu me dar três orgasmos antes de gozar dentro de mim. Isso foi suficiente para um quarto. Marcio agora estava sentado ao meu lado. Quando Pedro se afastou, levantei-me e sentei-me de costas em cima dele. Guiei seu pau na minha bunda. Pedro, que ainda estava parado na minha frente, sorriu para mim com apreço. Levantei e abaixei minha pélvis no pau algumas vezes antes de chamar Roberto. Ele sabia o que eu esperava dele e enfiou seu pau no meu buraco livre. Os dois me foderam de um jeito que eu já conhecia e com um ritmo que mudava. Para completar, Paulo veio até o sofá e estendeu seu pau agora duro para mim. Aceitei de bom grado esta oferta e coloquei meus lábios sobre sua cabeça. Isso teve o efeito colateral benéfico de que eu não conseguia mais gritar. Então os três me deram as próximas partidas. Roberto e Marcio eram agora uma equipe bem ensaiada e sabiam exatamente como acabar comigo. Enquanto Paulo se segurava, os dois injetaram seus sucos em mim. Roberto puxou seu pau para fora de mim e eu rolei para o lado.

Após um breve intervalo, Paulo perguntou se ele poderia tentar também. “Por favor, tenha cuidado,” eu concordei. Com muito cuidado ele colocou a glande na minha entrada. Ele me penetrou com uma pressão suave. Depois de pouco tempo, sua glande grossa estava dentro de mim. Nunca pensei que funcionaria. Ao mesmo tempo, também pensei comigo mesmo que meu canal de foda finalmente havia liberado meus filhos. Então eu provavelmente poderia lidar com essa parte também. E assim foi. Paulo empurrou-se para dentro de mim lenta, mas firmemente. Quando ele atingiu meu útero, pulei ligeiramente. Assustado, ele me perguntou se aquilo tinha me machucado. Quando eu disse não, ele começou a se mover com muito cuidado dentro de mim. Foi ótimo. Eu me senti completamente preenchido. Agora desfrutei com todos os meus sentidos e lentamente comecei a subir até o cume. Paulo não teve problemas em me redimir. E isso novamente várias vezes. Mas então ele também bombeou sua grande carga no meu estômago. Pronto, fiquei lá.

Depois de uma longa pausa, fizemos mais uma rodada em combinações diferentes. Depois disso nada funcionou mais. Nem com os homens, nem comigo. Mesmo assim, ficamos sentados juntos por um tempo. Assim como naquela época com Roberto, tive novamente a sensação de que tinha exatamente os amigos certos. Tudo foi muito harmonioso. E fiquei profundamente satisfeito. Eu só tinha um leve remorso por Pedro. Afinal, Ana era minha amiga. Pedro pareceu adivinhar meus pensamentos. “Não se preocupe. Eu amo Ana mais do que tudo. E ela certamente não se importaria. “Ele” pode fazer isso de novo amanhã.” Pedro e Paulo então se despediram. Roberto também desapareceu no quarto de hóspedes. Deitada nos braços de meu marido, tive vontade de dizer algo a ele. Mas provavelmente eu estava muito exausto e adormeci imediatamente.

Olhar para o despertador me assustou. Já era meio-dia. Marcio provavelmente tinha acordado mais cedo. Quando entrei na sala depois do banho, não havia ninguém lá. Nem Marcio, nem Roberto, apenas café na cozinha. Isso também tem sido bom. Embora eu já estivesse acostumado com muita coisa, senti meu corpo com muita intensidade hoje. Agora eu tive algum remorso. Quatro homens derrubados três vezes. Isso significa doze cargas de esperma em todos os buracos. Minha bunda se esticou tanto pelo pau grosso de Pedro que meu esfíncter ainda doía. Mas foi legal, apesar da minha consciência um tanto culpada. À medida que o café lentamente despertava meu ânimo, me perguntei se aquilo já teria sido uma espécie de gang bang. Eu estava muito sujo. Mas eu faria isso de novo. Esses pensamentos por si só me deixaram molhado novamente. Alcancei a cintura da minha calça de moletom para pegar minha boceta quente. Meus lábios ainda estavam ligeiramente inchados. Tire as mãos, eu disse a mim mesmo. Isso não funciona. Acabei de terminar um número monstruoso e já estou em apuros novamente. Sandra, você é impossível.

Decidi ligar para Paulo. Não para contratá-lo para a próxima foda, mas para pedir desculpas a ele pela minha auto-indulgência. Sandra, madrasta de Paulo, atendeu o telefone. “Ah, olá Sandra. “O que é isso?”, ela me perguntou. “Nada de especial, Paulo simplesmente esqueceu algo aqui ontem”, menti. “Não tem problema, irei rapidamente.” Clique. Droga!! E agora ? O que Paulo poderia ter esquecido aqui? Eu considerei. Aparentemente demorou muito, porque a campainha tocou. Arrastei-me até a porta e a abri. Sandra estava ótima novamente. Eu a abracei em saudação. “Você gostaria de um café?”, perguntei para distraí-la. “Com prazer.”

Enquanto estávamos sentados na sala, Sandra me perguntou se eu fui à igreja ontem. Eu olhei para ela sem expressão. “Por que na igreja?”, perguntei. “Bem, você parece tão louca”, ela riu de mim. “Marcio me acordou muito, muito bem esta manhã”, pedi desculpas. Você simplesmente não pode esconder nada de uma mulher. Fico feliz por ter encontrado outro assunto, falamos sobre homens. “Preciso que alguém me acorde de novo”, disse Sandra. Eu sabia que ela não tinha tido um novo relacionamento desde a morte do marido. Conversamos assim por um tempo.

Marcio voltou para casa pouco depois. Ele também cumprimentou Sandra com um beijo. “É conveniente que você esteja aqui. Então você pode levar a carteira de Paulo com você. Ele esqueceu isso aqui ontem.” Eles deveriam ter tirado uma foto da expressão no meu rosto. Não existe tal coisa. Sandra então se despediu também. Felizmente Marcio não perguntou o que Sandra queria aqui.

Marcio me deu um grande abraço e perguntou como eu estava me sentindo. “Um pouco desgastado, mas bom. E você? Eu fui mal ontem?” “Não, você não foi mal. Você estava com tesão. Você é apenas um sapo nascido.” “Por que sapo?” eu perguntei de volta. “Bem”, respondeu Marcio. “Você já observou sapos? Eles sempre têm as pernas bem afastadas.” Tivemos que rir.

​Sentamos no sofá onde tanta coisa aconteceu na noite passada. Nós nos abraçamos. Foi realmente bom. Marcio me acariciou. Mas não exigente, como se quisesse me deixar com tesão, mas amoroso e terno. O que não mudou o fato de que fiquei com calor novamente. Agora tive a sensação de que todo o meu corpo era uma zona erógena. Até mesmo suas carícias nos braços fizeram meus sucos fluírem novamente. Depois de um tempo, me afastei de Marcio. Expliquei-lhe que estava ficando excitada novamente, mas a minha boceta ainda precisava de descansar. Sem mencionar minha bunda. Então tomamos café da manhã um pouco tarde porque já passava das 13h.

Depois do café da manhã, Marcio me pegou pela mão e me puxou para o quarto. Mostrei a ele novamente que precisava de um descanso, mas ele me puxou. No quarto ele colocou uma grande toalha de praia em cima da cama e me despiu. Quando ele tirou do bolso um frasco de óleo de massagem, eu também sabia o que ele estava planejando fazer.

Foi fantástico. Deitei de bruços e Marcio massageou minhas costas. Ele havia ligado uma música suave. Eu relaxei cada vez mais. Gostei deste tratamento completamente sem pensar. Em algum momento ele me virou e massageou minha frente. Ele não usou exatamente o óleo com moderação. A essa altura eu já devia que brilhar como uma sardinha. Mas isso não foi ruim. E cheirava bem. Então ele voltou sua atenção para meus seios. Isso foi mais do que agradável. Minha respiração já estava ficando mais pesada. Ele desceu lentamente sobre o estômago. Agora ele passou para minhas coxas. Às vezes forte, às vezes terno. Ele se aproximou cada vez mais da minha boceta na parte interna de suas coxas. Eu já estava ansioso por isso. Mas pouco antes disso ele parou e recomeçou na altura dos joelhos. Eu resmunguei um pouco indignado. Ele repetiu este jogo várias vezes. O brilho na minha boceta não era do óleo agora. Desta vez, quando ele se aproximou do meu centro de prazer, lentamente abri ainda mais as pernas. Eu estava com tanto tesão agora que queria mais. Desta vez ele não parou. Do interior das minhas coxas suas mãos se moviam delicadamente sobre minha boceta. Ele agora massageava meus lábios com os polegares. Ele continuou vindo para o meu clitóris. Isso foi tão bom. Gozei com a mesma delicadeza com que as mãos do meu marido me massageavam. Foi um daqueles orgasmos que talvez não sejam tão intensos a ponto de dar vontade de gritar, mas são totalmente satisfatórios por dentro. Mas desde que Marcio continuou, permaneci com um nível de entusiasmo bastante elevado. Ele então me virou de bruços novamente e empurrou um travesseiro grosso sob minha pélvis. Meu traseiro agora estava bonito e alto. Para tornar a área de trabalho mais acessível para ele, dobrei as pernas e as abri o máximo possível.

Senti algo frio escorrendo entre minhas nádegas. Marcio derramou bastante óleo de massagem entre minhas pernas e distribuiu. Para meu horror, ele colocou a garrafa diretamente na minha bunda e espremeu uma boa quantidade de óleo nela. Ele fez o mesmo com minha boceta. Depois de guardar a garrafa, ele começou a fazer mágica com os dedos. Ele acariciou meus lábios, penetrou lentamente em meus buracos com os dedos e depois puxou meus lábios internos de vez em quando. Gosto quando ele estica meus lábios internos. Então ele empurrou um dedo de uma mão na minha bunda e outro dedo na minha boceta. Então ele separou um pouco meus buracos. O vilão sabia exatamente do que eu gostava e como me trazer de volta. Aquela sensação maravilhosa de alongamento começou novamente. Mas completamente sem dor. Marcio enfiou cada vez mais dedos em mim. Até que eu tinha dois dedos na bunda e dois na buceta de cada mão. Ritmicamente, ele separou meus buracos. Então ele definitivamente podia ver profundamente meu estômago. Ele agora estava me massageando por dentro. As paredes da minha vagina e as paredes intestinais estavam bem lubrificadas pelo óleo. Além, é claro, do meu próprio lubrificante. Quando se trata de mim novamente, meus dedos me abandonam.

Marcio enfia a mão na gaveta da mesa de cabeceira e tira nosso brinquedo. Com um movimento deslizante, ele empurra-o até à minha boceta e liga-o. Ele começa a trabalhar, cantarolando baixinho. Mas ele não fica preso sozinho. Marcio tira uma das minhas mãos e a coloca entre minhas pernas. Agarro a ponta do vibrador e seguro-o com força. Agora ele está com as duas mãos livres novamente e continua o trabalho que começou na minha bunda. Novamente ele puxa e separa meu esfíncter. Agora há três dedos de cada mão na minha bunda. E ainda não dói. Apenas sentimentos de tesão passam por mim. De repente, as mãos sumiram. Mas só para voltar depois de um curto período de tempo. Marcio tirou a roupa. Se eu esperava que ele me fodesse na bunda agora, eu estava errado. Ele forçou seu pau duro na entrada da minha buceta. Mas foi apertado. De repente, uma dor passou por mim. Marcio beliscou meu clitóris! Mas quando a leve dor cedeu, senti o primeiro pedaço do seu pau dentro de mim. Ele empurrou lentamente ainda mais até que tanto o vibrador quanto o pau estivessem completamente dentro de mim. Eu estava cheia. Ou melhor, preenchida. Mas aparentemente não foi suficiente para Marcio. Seus dedos penetraram minha bunda novamente e a separaram novamente. E só aqui algo se moveu. Só de massagear meu esfíncter e encher minha boceta, eu gozei de novo. E desta vez muito difícil. A gozada de Marcio funcionou como um intensificador de orgasmo. As vibrações provavelmente foram suficientes para ele também. O pau e o vibrador deslizam para fora. Marcio já havia puxado os dedos.

“Você é um pouco glutão. Uma prostituta realmente excitada,” ele sussurrou em meu ouvido. “Deixe quatro homens te foderem em todos os buracos de acordo com todos os truques do livro e ainda peça mais. Eu te amo.” Ele estava certo. Se os três estivessem aqui agora, eu teria me oferecido novamente. “Eu também te amo. Mais e mais.”

Mais tarde, meus pais ligaram. Se as crianças poderiam ficar até domingo à noite. Havia filhotes no zoológico que seriam apresentados amanhã. E os dois gostariam de ir para lá. Claro que concordamos. À noite saímos para uma refeição chique. Eu estava especialmente vestido. Blusa semitransparente, saia curta e salto alto. Claro, sem nada por baixo. Eu tinha penteado meu cabelo descaradamente e colocado muita maquiagem. Tivemos uma refeição adorável e depois fomos a um bistrô aconchegante. Foi uma tarde maravilhosa. Quando voltamos para casa, usei novamente os serviços do meu marido. E de novo. Então nada funcionou mais. É uma pena, na verdade.

Fomos correr juntos no domingo de manhã. Corra novamente em casa, mas desta vez na horizontal. À tarde, para surpresa dos meus pais e das crianças, fomos ao zoológico. Meus pais nos cumprimentaram calorosamente e as crianças nos abraçaram como se não nos vissem há três semanas. Minha mãe me disse baixinho: “Você está bem, minha querida. Muito feliz. Como se você estivesse na igreja esta manhã.” Aquele ditado estúpido de novo. “Não, mãe”, respondi. “Temos nosso próprio órgão em casa.” Rimos loucamente. Papai e Marcio olharam para nós sem expressão.

Os tratadores do zoológico levaram o bebê elefante para o recinto externo na hora certa. Isso pode ter parecido fofo. Por mais estúpido que fosse. Mas por que eu tinha que pensar em Paulo agora? “Olha, Marcio, ali está o Paulo”, eu disse ao meu marido. Mamãe e papai olharam em volta, procurando, enquanto Marcio e eu rimos muito. “Você é bobo”, disse até o pequeno Fabian.

Não aconteceu muita coisa à noite. Nós nos abraçamos e olhamos a cena do crime. Sempre fazemos isso aos domingos.

Na segunda-feira, enquanto trabalhava, fiquei pensando no meu marido. Isso não aconteceu comigo nos últimos anos. Eu estava realmente apaixonado. À tarde, quando Marcio chegou do trabalho, perguntei quantas vezes ele pensa assim em mim durante o dia. “Frequentemente”, foi tudo o que ele disse. “Eu simplesmente não consigo pensar em você com muita frequência, senão todo mundo vai ver a protuberância nas minhas calças.” “Estranho!”

Marcio foi embora novamente por um breve período para pegar alguma coisa, como ele disse.

Terça-feira de manhã, eu estava saindo do banheiro quando Marcio me chamou. Ele me deu um beijo de bom dia e me disse para deitar na cama. Queria me defender porque as crianças poderiam entrar a qualquer momento. “É muito rápido”, disse Marcio simplesmente. “E não olhe.” Deitei de costas e fechei os olhos. Ele mexeu na mina boceta. Então senti algo entrar em mim. Sobre! A rapidinha que esperávamos não aconteceu. Mas havia algo dentro de mim. Eu pude sentir exatamente isso. Não é desagradável, mas também não é excitante. “Você poderia, por favor, manter isso aquecido para mim até hoje à noite?”, perguntou-me Marcio. “Mas você não deve retirá-lo em nenhuma circunstância. Não deveria incomodar você quando você está fazendo xixi.” Que tipo de jogo era aquele mesmo? Mas eu queria fazer-lhe um favor. Tomamos café da manhã com as crianças e depois partimos separadamente. Levei as crianças ao jardim de infância e depois fui para o escritório.

Meu trabalho de meio período sempre acabava rapidamente. Apenas não hoje. Às 9h, estremeci. Minha boceta estava vibrando loucamente. Você também podia ouvi-lo tocando suavemente. Mas felizmente ninguém percebeu. Que porcaria. Agora eu realmente tenho sentimentos sobre isso. O vilão.

9h20 A vibração me fez pular novamente. Desta vez tocou por quase um minuto. “Que aparência sonhadora você tem”, disse meu colega. Então acabou. Fui ao banheiro para retirar a peça. Mas quando me sentei, mudei de ideia. Prometi ao Marcio que não o tiraria. Então eu suportaria isso. Mas às 10h houve uma reunião com colegas e meu chefe. Espero que ele me tenha deixado sozinho por tanto tempo.

Estávamos discutindo como proceder com um caso complicado quando estremeci novamente. Brrr Brrrr, Brrrr Brrrr. E o toque silencioso. “Alguém deve ter esquecido o celular”, comentou meu chefe e olhou em volta. Brrr Brrrr, Brrrr Brrrr. Então acabou. A reunião pôde terminar sem maiores interrupções. ” Da próxima vez, por favor, deixe seu celular lá fora.” “Mas chefe, não era meu celular. Onde devo conseguir isso?”, respondi inocentemente. Eu realmente não teria tido a oportunidade de levar um celular comigo. Eu só estava de saia e blusa. Além da pasta com os documentos em mãos. Portanto, não há espaço para guardar um telefone celular. “Então me desculpe. Achei que vinha da direção dela.

​E aconteceu assim várias vezes naquele dia. Felizmente não estou a caminho do jardim de infância e de casa. Mas ainda mais frequentemente à tarde. Uma vez demorou tanto que fiquei com muito tesão. Quase me empolguei e fiz isso sozinho.

Marcio voltou do trabalho às 18h. Sorrindo, ele me pegou nos braços. “Seu canalha! Você pode ter me envergonhado. Você poderia pelo menos ter desligado o toque. — Ah, acho que esqueci. Mas pelo menos agora você sabe quantas vezes por dia penso em você.” Então foi aí que o vento soprou. Como eu estava tão incrédulo ontem, ele queria me mostrar que realmente pensa em mim com frequência. Meio doce.

Minha vingança aconteceu enquanto as crianças dormiam. Entrei nua na sala e pedi para meu marido colocar o pau em mim agora. Chupei seu pau com força e me ajoelhei no sofá. Eu mexi minha bunda voluptuosamente. Ele queria colocar seu pau duro na minha buceta. “Ainda está ocupado”, eu simplesmente disse. Então ele enfiou no outro buraco. Quando estava perto do orgasmo, perguntei-lhe com um gemido: “Ligue – para mim –!” Ele pegou o celular da mesa da sala e deixou tocar. Quando ele me deu seu gozo, eu gozei também.

Então tirei o celular da minha boceta. Aliás, foi cuidadosamente embalado em camisinha. “Tem que ser carregado para amanhã”, eu simplesmente disse. “Mas, por favor, desligue o toque. E enquanto eu me limpo, por favor, coloque seu pau de volta em forma. Quero outra carga adiantada.

Quando voltei, o equipamento de ginástica do colchão estava pronto novamente e partimos juntos para o pôr do sol.

Quarta-feira de manhã, pontualmente às 9h. Brrr Brrrr, Brrrr Brrrr. E desta vez não tocou. Em vez disso, tocou a melodia: “Tal dia, tão lindo como hoje”. E no volume máximo. Meu colega começou a cantarolar junto. Eu também. A vingança é doce.

Graças a Deus a campainha não tocou novamente pela manhã. Mas ainda mais frequentemente à tarde. A propósito, quarta-feira é meu dia de compras. Metade da cidade agora conhece meu toque. Mas não o local de origem. Felizmente

Apesar de tudo, foi legal. À noite, fodi os miolos do Marcio. Quando, depois da terceira vez, mesmo lambidas e chupadas extensas não pareceram fazer qualquer diferença, ameacei ligar para os amigos dele. Isso ajudou. Então consegui mais uma foda. Mas infelizmente só para mim. Marcio implorou por misericórdia. Quando voltei do banheiro, ele estava dormindo.

Foi assim que os dias passaram. Quatro semanas depois, era noite de patinação novamente. E depois do jantar todos cuidaram de mim novamente. Foi ainda melhor que da primeira vez. Ainda era novo para todos e todos estavam igualmente entusiasmados. Agora as coisas estavam mais tranquilas. Também recebi o valor do meu dinheiro verbalmente. Os três perceberam que gosto de frases vulgares durante o sexo. E Pedro tinha muita coisa reservada. Por exemplo, eu tive que mostrar meu cu para ele ou separar minha boceta vadia. Eu nem me importei quando ele estendeu seu pau manchado para eu lamber depois de uma foda monstruosa. Eu removi com entusiasmo todos os vestígios. Principalmente porque eu já tinha um pau lá de novo.

​Aconteceu depois do segundo turno. Estávamos prestes a começar de novo. Ajoelhei-me no chão e os homens ficaram ao meu redor. Um por um, chupei com força novamente. Então a campainha tocou.

Marcio rapidamente pegou uma toalha, várias das quais eu havia colocado, enrolou-a na cintura e foi até a porta da frente. Enquanto isso, ficamos muito quietos. Ouvi as vozes de um homem estranho e de uma mulher. Então ouvi: “Temos que nos convencer disso.” E então Marcio estava parado na porta da sala com dois policiais. Um homem e uma mulher. Marcio disse: “Um caminhante ouviu gritos vindos de nossa casa. Ele então chamou a polícia. Sandra, seja gentil e diga aos policiais que você está bem.” O policial olhou para mim. A policial também esperou minha confirmação, mas olhou para o malão de Paulo como se estivesse hipnotizada. Levantei-me e fui até os policiais, nua como estava. Usei apenas o sapato ‘Quero ser fodido em todos os buracos por quatro homens’ com salto de 10 centímetros. “Está tudo bem comigo. Infelizmente, às vezes sou um pouco barulhenta. Por favor, desculpe o mal-entendido.” E sussurrei baixinho no ouvido da policial: “Se você quiser participar, posso lhe dar uma. Aparentemente você já escolheu um.” Completamente surpresa, ela respondeu: “Não, hum, obrigada. Mas ainda estou de plantão até as seis da manhã.” “Senão você ficaria?” continuei. “Por favor, desculpe a interrupção”, disse o homem. “E divirta-se.” “Definitivamente nos divertimos”, disse Marcio em resposta.

Muito, muito mais tarde, eu descobriria que os dois policiais não tinham nada mais urgente para fazer do que fazer uma pausa extra de meia hora no beco escuro mais próximo.

Nos divertimos muito com o incidente. Porém, Marcio fechou as janelas por precaução para evitar novos incidentes. Nossa reputação também estava em jogo. Eu ainda valorizei isso?

Definitivamente continuamos. E foi mais uma noite maravilhosa.

Na verdade, foi assim que continuou. Toda primeira sexta-feira do mês eu era completamente fodida pelos meninos. Todo primeiro sábado do mês eu parecia ter ido à igreja e caminhava como uma velha esposa de fazendeiro depois de contar porcos. E todo primeiro domingo do mês eu me deitava nos braços do meu querido marido na cena do crime, ronronando baixinho, como um gato contente.

Como eu disse, hoje é novamente a primeira sexta-feira do mês. Termino o trabalho na hora certa. Não preciso me preocupar com as crianças. Papai a pega. Amanhã eles querem ir para uma piscina de lazer. As crianças estavam tão felizes.

Provavelmente terei minha piscina de lazer novamente esta noite. Não com água, mas com esperma. Que mulher com tesão eu me tornei no ano passado. Apenas a antecipação desta noite fez minha boca, buceta e bunda salivarem. O que eles inventaram desta vez?

4060 views

Contos Eróticos Relacionados:

Vergonha continuação 3

Olá , me chamo Marta , sou uma mulher morena ,magra seios médios , rabo redondinho , muito bonita , o que vou contar foi quando era ainda menor e estava na escola . Sempre fui muito curiosa em...

LER ESTE CONTO

Minha esposa deixou eu comer sua prima

ola leitores vou contar como acabei comendo a Silvia prima da minha esposa com ela junto Silvia mora na praia grande e em um fim de semana fomos visitar ela como os filhos dela haviam ido passar o...

LER ESTE CONTO

Professora tarada deu pro aluno novinho

Goze gostoso com o conto erótico em que uma professora tarada deu pro aluno novinho dentro de sua casa enquanto o marido estava no trabalho. Eu me chamo Claudio e vou lhes contar tudo que rolou entre...

LER ESTE CONTO

Dei meu cuzinho para um dotado

Olá, meu nome é André, tenho 24 anos e sou passivo, vou contar hoje como foi o dia em que eu dei meu cuzinho para um dotado, confiram tudo em detalhes nesse conto gay que estou escrevendo. ...

LER ESTE CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 3 + 5 = ?

ContoErotico.Blog - O Seu Site de Contos Eróticos 

Aqui no Blog Conto Erótico, nós trazemos todos os tipos de contos eróticos para alegrar e animar o seu dia. Nossos contos eróticos são enviados por nossos leitores e colocados aqui para excitar a todos. Sempre postamos contos eróticos com fotos, pois sabemos que isso deixa a história mais real e fácil de ser imaginada. Histórias porno, contos picantes, contos de sexo, fábulas eróticas, não importa qual o nome você dê, nós traremos tudo que você precisa para se divertir.

Todos os nomes dos contos eróticos são alterados por nossa equipe para preservar a identidade de todos, e todos os personagens que participam de nossas histórias eróticas são maiores de 18 anos.

Contos Eróticos Com Fotos

Todos os nossos contos tem pelo menos uma foto, pois sabemos que ler um conto erótico com foto é bem melhor do que só ler uma história solta, sem nenhuma imagem para ilustrar. As fotos dos nossos contos são meramente ilustrativas, são retiradas da própria internet, de sites pornográficos que divulgam essas imagens de forma gratuita.

Caso alguma imagem dos nossos contos eróticos com fotos pertença a você e você quer que seja removida, basta entrar em contato e enviar o link do conto que faremos a substituição. Algumas imagens também são enviadas pelos próprios autores dos contos.

Caso você precise entrar em contato conosco, basta usar a nossa página de contato.

Para enviar contos eróticos para serem publicados em nosso site, vá até a página "Enviar Seu Conto Erótico" e escreva sua história que postaremos aqui.

Buceta - Xvideos - Video de Sexo - Filme Porno - Porno Brasileiro - Zoofilia - Porno - Xvideos PutinhasMulheres Peitudas - Porno Nacional - Porno Argentino - Acompanhantes Campinas - Pornozao - Acompanhantes RJ - Porno Gratis - Contos Eróticos - Sexo Gay - Dog Porn - Sexo Com Animales - Contos Eróticos Incesto - Relatos Calientes - Porno Buceta - Ursos Pelados - Pornolandia - Cnnamador - Xvideo - Xvideos Porno - X videos - Corno Blog - Mega Filmes - Putaria Telegram - Xvideos Onlyfans - Homem Pelado

Contos Eróticos

© 2024 - Conto Erótico - ThePornDude